Categorias

Não há nenhuma categoria

Últimas noticias

  • ROSÁCEA

    A Rosácea é uma doença inflamatória da pele, afecta principalmente a zona central do rosto podendo afectar todo o rosto.  Surge em pessoas de pele...
  • ACNE

    A acne é uma doença inflamatória da pele, afecta principalmente as zonas do corpo mais ricas em glândulas sebáceas (face, pescoço, parte superior...
  • PSORIASE

    A Psoríase é uma doença inflamatória da pele caracterizada por uma renovação celular epidérmica acelerada, com hiperproliferação e maturação...
  • PRURIDO

    Prurido ou comichão é uma sensação exclusiva da pele e pode ser definido como a sensação que produz desejo de coçar.
  • Micoses

    A micose é uma infecção cutânea cujo agente causal é um fungo.

comentários recentes

tags populares

não existem tags

Envelhecimento Cutâneo

Envelhecimento Cutâneo

“O envelhecimento nada mais é que uma série de transformações que ocorrem no organismo em consequência do tempo vivido. Mas não menos importante que o tempo é o modo como foi vivido.” (Rebelo, 2005, p.131)

O envelhecimento da pele resulta do efeito cumulativo de fatores intrínsecos e extrínsecos.

 

Entre os fatores extrínsecos, o efeito da radiação solar na saúde da pele está bem caracterizado. Além dos danos causados ??pelo sol, fatores como o tabagismo e a poluição atmosférica também são considerados no envelhecimento extrínseco. Estudos mostraram uma correlação clara entre esses fatores e o aparecimento de melanose (manchas na pele) e rugas. Ambos os fatores contribuem para o envelhecimento através de um mecanismo comum chamado stress oxidativo que tem um impacto negativo sobre os processos celulares.

 

Um outro mecanismo a considerar é a glicação (moléculas de glicose (açúcar) que se unem a proteínas e alteram a sua função) que ocorre em doenças comuns, como diabetes mellitus, e promove danos dérmicos. A glicação também favorece a oxidação e está implicada em alterações na regeneração dos tecidos.

Por outro lado, as alterações fisiopatológicas que resultam durante a menopausa foram minuciosamente estudadas, e descobriu-se que existe uma correlação entre o envelhecimento e as alterações cutâneas relacionadas à redução dos níveis de estrogénio.

 

O termo “expossoma” é utilizado para descrever a totalidade das exposições a que um indivíduo é submetido desde a concepção até a morte e foram propostos os seguintes fatores ambientais associados: radiação solar (UV, visível e infravermelho), poluição atmosférica e fumo de tabaco.

 

Manter a integridade funcional e anatómica da pele é essencial. Embora a vitalidade se reflita em características estéticas, como rugas, manchas e flacidez, o desafio vai além de manter a aparência.

 

Funções essenciais, como as capacidades defensivas e reparadoras da pele, tendem a diminuir e devem ser preservadas. Durante o processo de envelhecimento, a pele fica mais fina, dura, menos tensa e menos flexível, o que diminui suas funções de proteção contra lesões mecânicas. A perda de água transepidérmica (uma medida da integridade do estrato córneo) parece estar inalterada com o envelhecimento cronológico; no entanto, a produção de lipídios superficiais diminui significativamente com a idade, aumentando a incidência de xerose (pele seca), prurido (comichão) e irritação da pele.

 

Essas alterações podem piorar com fatores extrínsecos que afetam a estrutura da pele; não só a poluição da pele, mas também fatores relacionados ao estilo de vida (stress emocional, tabagismo, dieta, etc.) ou mesmo condições relacionadas com o envelhecimento, como diabetes, menopausa ou doenças inflamatórias crónicas.

 

As complicações dermatológicas que acompanham a longevidade incluem

1) doenças de pele e disfunções relacionadas à idade;

2) mudanças no padrão de respostas da pele a procedimentos e tratamentos dermatológicos, como a cicatrização e redução de funções de barreira; e

3) as repercussões de novos tratamentos para doenças de pele e sistêmicas mais comuns em idosos.

 

0 Comentário

Deixe seu comentário

Reload

Submeter